Trigo é tema Fórum Permanente do Agronegócio que acontece em Passo Fundo

O trigo está sendo o tema de quatro das etapas do Fórum Permanente do Agronegócio, realizadas nas cidades de Ijuí, Santa Rosa, Passo Fundo e Cruz Alta. Durante os meses de setembro e outubro, as cidades recebem o seminário Boas Práticas na Produção de Trigo: Oportunidades e desafios para a cadeia tritícola. A finalidade é desencadear um processo que garanta segurança ao produtor e à sociedade desse produto que está presente diariamente na alimentação humana.

Em Passo Fundo, acontece a 86ª etapa do Fórum, no dia 04 de outubro, na Embrapa Trigo, com início às 09h.

Dessecação

Nos últimos dois anos, o excesso de chuva, além de incidência de geada, fizeram com que alguns produtores utilizassem a técnica de dessecação para a uniformização da lavoura às vésperas da colheita. Entretanto, além de não aconselhado, o método só pode ser feito com produtos recomendados. Se não for feito de forma correta, o procedimento corre o risco de deixar contaminantes no processo de manipulação do trigo.

Preocupados com isso, o Ministério Público junto com Ministério da Agricultura e Secretaria da Agricultura, irão realizar forte fiscalização nas plantações com o objetivo de coibir a prática da dessecação com produtos não recomendados. Procedimento semelhante já vem acontecendo no Paraná, onde já há registro de triticultores que foram autuados e lavouras interditadas.

Para evitar situações semelhantes no Rio Grande do Sul, a Farsul, apoiada por outras entidades, promoverá as quatro edições do evento. O presidente da Comissão do Trigo da Federação, Hamilton Jardim, destaca que “A Farsul saiu na frente, ainda em tempo de corrigir algum problema nesta safra, o que particularmente não acredito que exista. Neste ano ela vem numa condição bem melhor do que foram as duas últimas. Talvez essa prática não seja tão usada”, comenta.

O dirigente destaca que, com a programação que encerra durante a edição da Fenatrigo, o objetivo é “alertar o produtor rural e os formadores de opinião de que nós deveremos, se não estancar esse processo, diminuir drasticamente. Para isso se fez uma programação junto com a Câmara Setorial Estadual do Trigo e demais apoiadores”, explica Jardim.

Cada edição do fórum tem a presença de auditores fiscais do Ministério e Secretaria da Agricultura, técnicos da Embrapa Trigo e Senai de Tecnologia em Alimentos e Bebidas, além representantes da Acergs, Fecoagro e Sinditrigo. Eles falarão sobre o controle de contaminantes, tecnologia de produção e manejo e segregação. “A gente espera chegar aos produtores rurais justamente num ano que a safra está se configurando bastante boa. Mas é uma safra preocupante, porque nós teremos excesso de oferta tanto no estado, quanto no Paraná e Mercosul. Se o produtor não primar pela qualidade, ele pode ter preços bastante baixos que é um risco já inerente a toda a cadeia do trigo”, projeta Jardim.

Os eventos têm entrada gratuita e sem a necessidade de inscrição antecipada. Mais informações podem ser obtidas nos sindicatos rurais locais. (Com informações da Imprensa Sistema Farsul).